Criando Abundância.

“Por muitas vezes, nos vimos diante de situações em que precisamos de uma determinada quantia de dinheiro, e no entanto, nada nos ocorre para consegui-la.

A primeira coisa que devemos ter é a certeza de que o Espírito Divino nos socorrerá, por direito em merecimento. Uma eficiente postura mental nos levará a crer que este socorro não se dará porque estamos solicitando a ajuda de Deus, mas sim porque a estamos atraindo. E quando atraímos algo para nós é porque aquilo que estamos desejando, na verdade, já nos pertence.

Então, por mais difícil que seja a sua situação financeira, a magia está em atrair exatamente aquilo que já é seu. Outra atitude importante é agir como se já tivéssemos recebido a quantia que precisamos, porém sem especular que recursos o Espírito Divino usará para nos socorrer.”

Retirado do livro: Magia das palavras

Autor: Sibyla Rudana

A escolha é sua!

“Você pode escolher entre curtir ser quem você é ou viver infeliz por não ser quem gostaria.

Você pode escolher entre assumir sua individualidade ou sempre procurar ser o que os outros gostariam que você fosse.

Você pode escolher entre se divertir ou dizer em tom amargo que já passou da idade e que essas coisas são fúteis e nada têm a ver com você.

Você pode escolher entre amar incondicionalmente ou ficar se lamentando pela falta de gente à sua volta.

Você pode escolher entre ouvir o seu coração ou agir apenas racionalmente, analisando a vida antes de vivê-la.

Você pode escolher entre deixar tudo como está para ver como é que fica ou realizar as mudanças que o mundo exige.

Você pode escolher entre deixar-se paralisar pelo medo ou agir com o pouco que tem e muita vontade de vencer.

Você pode escolher entre amaldiçoar sua sorte ou encarar a grande oportunidade de crescimento que a vida lhe oferece.

Você pode escolher entre achar culpados ou desculpas para tudo ou encarar que é você quem decide o tipo de vida que quer levar.

Você pode escolher entre traçar seu destino ou continuar acreditando que ele já estava escrito e não há nada a fazer.

Você pode escolher entre viver o presente ou ficar preso a um passado que já se foi e a um futuro que ainda não veio.

Você pode escolher entre melhorar tudo que está à sua volta e a si próprio ou esperar que o mundo melhore para que então você possa melhorar.

Você pode escolher entre continuar escravo da preguiça ou tomar a atitude necessária para concretizar seu plano de vida.

Você pode escolher entre aprender o que ainda  não sabe ou fingir que já sabe tudo e nada mais aprender.

Você pode escolher entre ser feliz com a vida como ela é ou passar todo o seu tempo se lamentando pelo que ela não é.

A escolha é sua…”

Autor desconhecido.

 

Grande ilusão

“Um dos mais profundos condicionamentos do ser humano é acreditar que a sua felicidade depende do outro. Por causa disso, você tenta fazer do outro um escravo para atender às suas necessidades. Você exige que ele seja do jeito que você quer, porque somente assim você se sente amado. Mas se ele age um pouco diferente, sua “felicidade” acaba. Essa felicidade que depende de como o outro age é uma grande ilusão, é um produto da mente condicionada. A verdadeira felicidade é aquela que vem de dentro de você.”

Retirado do livro: Flor do Dia.

Sri Prem Baba.

Lição 48- Livro Passos de Gigante

“Algumas das coisas mais simples podem fazer a maior diferença. Se você deseja criar um hábito divertido que vai beneficiá-lo de modo inesperado, tente o seguinte exercício:

Comprometa-se, durante os próximos sete dias, a passar um minuto, cinco vezes por dia, rindo de orelha a orelha diante do espelho. A princípio pode parecer uma coisa idiota, mas ao repetir várias vezes ao dia, você fará com que o sistema nervoso gere sentimentos de felicidade, espontaneidade, humor e tranquilidade. Mais importante, você vai se condicionar a sentir-se bem e a desenvolver o hábito físico da felicidade. Tire um momento para fazer isso agora, e divirta-se!

Anthony Robbins

Descobrindo-se por inteiro.

“No nível mais profundo, a causa de gerarmos tanta destruição neste planeta é a ignorância a respeito da nossa verdadeira identidade. Por trás dessa destruição está o impulso de acumular bens materiais. Não sabendo quem somos, agimos com base em uma crença a respeito de quem somos, e isso gera um vazio que se traduz em uma profunda angústia. Tentamos preencher esse vazio com coisas. Você acumula para agregar valor e poder à sua falsa identidade, para aliviar a angústia causada pela falta de conexão consigo mesmo. E para ter mais coisas, você faz qualquer coisa. Essa é a raiz da destruição”.

Livro: Flor do Dia

Sri Prem Baba.

A idade de ser feliz

“Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor .

Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo novo, de novo e de novo, e quantas vezes for preciso.

Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa”.

Mario Quintana.

 

O poder da alegria.

A alegria fornece força para realizar projetos e mudanças.E o melhor: pode florescer em plena tristeza, quando o horizonte está repleto de nuvens e a gente acha que não existe mais saída.

E na infância que temos uma predisposição natural para sermos alegres. Quem de nós não tem na memória momentos de infinita alegria nessa fase da vida? Nossas lembranças de momentos felizes são tão abundantes e plenas, nos primeiros anos de vida, que é fácil identificar numerosas imagens que a traduzem: tomar banho de mangueira, pular corda, jogar bola, balançar…

Que tal resgatarmos a nossa criança interior e viver a vida na sua plenitude?