Menina corajosa

“Não posso trair a menina corajosa que mora dentro de mim. Não posso autorizar que o medo do sofrimento me afaste da verdade; da autenticidade em todas as relações; da capacidade de me entristecer, emocionar, alegrar ou emburrar diante daquilo que me atinge ou comove.

Não posso trair a menina corajosa que escreve cartas, confronta silêncios e desafia mal-entendidos.

A menina que aprendeu a crescer com os baques da vida, e por isso não os evita nem os enfeita, e sim os encara como forma de melhor compreender essa aventura linda e apavorante que é a existência…”

Fabíola Simões.

Deixe uma resposta