Depois de algum tempo.

Depois de algum tempo você não faz mais questão de ter razão.

Você já não quer mais convencer ninguém de nada, nem provar que seu ponto de vista ou suas escolhas são mais coerentes e sensatas. Depois de algum tempo você conquista uma grande certeza acerca de sua grandeza, e isso lhe dá paz, lhe dá segurança, lhe assegura que está no lugar certo, com pessoas especiais.

Fabíola Simões.

Ouse ir além.

Ouse ir além em tudo o que você fizer. Ousar ir além é buscar fazer o seu melhor na sua profissão, na sua vida pessoal, na sua casa, na sua família. É buscar se conhecer em sua essência, crescer com os erros, encontrar aprendizados nos tropeços, ou quando algo não sai planejado. A vida vai continuar mesmo que você decida não tentar, então ouse fazer diferente.

José Roberto Marques.

Livro: Coaching para coaches.

Desapegar

Às vezes a gente gosta tanto de um perfume que, mesmo que ele acabe, continua guardando o frasco com aquele restinho lá no fundo na esperança de que ainda saia um vaporzinho com o aroma conhecido. Porém, um dia somos presenteados com um perfume novo, de fragrância sedutora e acolhedora.

E aos poucos vamos percebendo que é hora de desapegar do antigo perfume e começar a valorizar o novo. Hora de decidir que o tempo do velho bálsamo acabou e aprender a enaltecer o aroma presente e suas dádivas.

Fabíola Simões.

A soma de todos os afetos.

 

Caminhe

Se você se acha no direito de dizer como o outro deveria viver, faça o seguinte: caminhe os caminhos por onde ele caminhou, estude o que ele estudou, sofra o que ele sofreu, conquiste o que ele conquistou.

E depois de ter passado por tudo o que ele já passou, seja você mesmo como acha que ele deveria ser.

Pe Fábio de Melo.

Escutar.

“O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos.

Sem que digam: Se eu fosse você…

A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. E é na não-escuta que ele termina”.

Rubem Alves.

O melhor jejum.

“Jejum de palavras negativas e dizer palavras bondosas.

Jejum de descontentamento e encher-se de gratidão.

Jejum de raiva e encher-se com mansidão e paciência.

Jejum de pessimismo e encher-se de esperança e otimismo.

Jejum de preocupações e encher-se de confiança em Deus.

Jejum de queixas e encher-se com as coisas simples da vida.

Jejum de amargor e tristeza e encher o coração de alegria.

Jejum de tensões e encher-se com orações.

Jejum de egoísmo e encher-se com compaixão.

Jejum de falta de perdão e encher-se de reconciliação.

Jejum de palavras e encher-se de silêncio para ouvir os outros”.

Não achei a autoria.

 

Vulnerabilidade

Escrever a nossa própria história pode ser muito difícil. Mas não é tão duro quanto passar a vida fugindo dela. Aceitar as nossas vulnerabilidades é arriscado, mas não é tão perigoso quanto desistir do amor.

Do pertencimento e a alegria. Que por outro lado são as experiências que nos deixam mais vulneráveis. Somente quando temos a coragem suficiente para explorar a escuridão, descobrimos o poder infinito da nossa luz.

Brené Brown.

Entrega.

Ao invés de focar nas coisas que você não tem e ficar brigando com o universo, comece a dar: dê amor, dê alegria e faça o seu trabalho com capricho e entrega. Nesse momento você inverte o jogo: sai da postura de vítima e se descobre um cocriador. E então você entende que nunca foi uma questão de simplesmente receber, mas de se doar.

Gisela Vallin.